01/02/2013 -

Os responsáveis pelos 431 projetos aprovados pela Lei Tó Teixeira e Guilherme Paraense de incentivos fiscais para a cultura e esporte amador já podem iniciar os processos de captação de recursos com empresários da capital para desenvolver as ações neste ano de 2013. Os agraciados lotaram o Museu de Arte de Belém na noite desta quinta-feira (31), para a solenidade de certificação.

Este ano, 700 projetos foram recebidos pela Fundação Cultural do Município (Fumbel). Para alguns proponentes, que tiveram os projetos aprovados, são sonhos colocados num papel, que agora ganham a chance de se tornarem realidade. Segundo eles, em 16 anos, o Certificado da lei proporcionou a realização de milhares de projetos incentivadores da cultura e do esporte amador na capital.

No início da solenidade, o diretor do Departamento de Ação Cultural da Fumbel, Marcos Marques, falou sobre as dificuldades de ser produtor. “Eu também fui produtor, então, como conhecedor real do assunto peço que não desistam nunca de seus projetos, e lhes desejo, boa sorte”. Marques também orientou os presentes a fazer um plano de marketing, a buscar a empolgação do público e chamar a atenção dos patrocinadores nos eventos.

O secretário executivo da Lei Tó Teixeira e Guilherme Paraense, Edson Brandão ressaltou que a nova gestão é comprometida. “Vamos movimentar a cultura de Belém”, comentou Edson, que também trabalha na produção de eventos. A presidente da Fundação, Heliana Jatene participou da cerimônia e parabenizou os vencedores durante a entrega dos certificados.

Para o professor de sociologia e atleta de remo, Ricardo Mendes, 46, que participou pela terceira vez da seleção e pela primeira vez conseguiu aprovação, o recurso de R$ 18 mil para realizar o projeto é fundamental, já que “em Belém, os clubes são carentes em equipamentos para treinamento, e existe pouco patrocínio”.