16/12/2013 -

Programação quer estimular a manifestação de sentimentos e emoções através da linguagem cênica

Data: 18 de dezembro

Hora: 17h

Local: Praça do Povo, no Centur Avenida Gentil Bittencourt, 650, Nazaré

Sugestões de entrevistas: Coordenadora do Crie, Denise Costa – Coord. do Núcleo de Programas e Projetos, Marcos Costa, pais e alunos

Contato: Aline Saavedra – 3219 5441 / 8248 3377

 

Informações

Alunos com deficiência auditiva, visual, física e intelectual atendidos pela rede municipal de ensino serão os protagonistas do I Auto de Natal da Inclusão que será realizado pelo  Centro de Referência em Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes, no dia 18 de dezembro, dentro da programação de final de ano da Semec. O evento será às 17h, na Praça do Povo, do Centur.

De acordo com a coordenação do Centro de Referência em Inclusão, a participação no auto oportuniza ao aluno interagir com a comunidade, trabalhar a percepção, despertar a sensibilidade, a inclusão, o respeito e a consciência sócio-político-cultural.

O Auto será dividido em quatro estações com a encenação da história de Maria, de José, dos reis magos, Jesus e os anjos, além da apresentação de dança com o grupo formado pelos alunos, com pernas de pau e balé aéreo. Neste momento, haverá também a declamação de poesias. A última estação será uma verdadeira festa onde os alunos-atores vão cantar e dançar em homenagem ao nascimento do menino Jesus. O coral, formado por alunos com deficiência da Escola Municipal Liceu do Paracuri também vai se apresentar. Para o espetáculo, os alunos ensaiam há dois meses, duas vezes por semana.

“Trupe da inclusão”

O espetáculo é encenado por alunos da “Trupe da inclusão”, formada por jovens de todas as idades das escolas municipais e que surgiu como resultado do Programa Artes Cênicas, Expressão e Inclusão, do Núcleo de Programas e Projetos da Semec.

O projeto tem o teatro como um veículo de integração do aluno com a escola, usando a linguagem cênica para estimular a manifestação de emoções, desejos e sentimentos. Para os professores envolvidos, a linguagem cênica vem ampliar a inclusão escolar, como meio facilitador de aprendizagem.